BULIMIA

Bulimia é uma palavra de origem grega, uma junção de bou (grande quantidade de) ou boul (boi) com limos (fome), resultando na expressão “fome tão grande como a de um boi” (Nunes ET al., 2006).
A bulimia nervosa caracteriza-se por períodos de grande ingestão de alimentos de maneira muito rápida num curto espaço de tempo, com a sensação de perda de controle. Essa compulsão alimentar leva o paciente a adotar medidas extremas para livrar-se do que foi ingerido para evitar o efeito de engordar. Para isso usa métodos compensatórios inadequados como vômitos auto-induzidos, uso de medicamentos (diuréticos, laxantes, inibidores de apetite), dietas e exercícios físicos.
De uma forma geral, a bulimia nervosa começa no final da adolescência ou no início da idade adulta.

Classificação diagnóstica atual, segundo o DSM-IV

A - Episódios recorrentes de comer compulsivo (binge eating). Um episódio de comer compulsivo é caracterizado por ambos os critérios abaixo:

Comer em um determinado período de tempo uma quantidade de comida que é muito maior do que a maioria das pessoas comeria em um intervalo de tempo e sob condições similares.

Sensação de perda de controle sobre a alimentação durante o episódio (por exemplo: sensação de não poder parar de comer ou controlar o que está comendo)

B - Comportamento compensatório recorrente e inadequado para impedir o aumento de peso.

C - Tanto o binge eating como o comportamento compensatório ocorrem duas vezes por semana por, no mínimo, três meses

D - A auto-avaliação é indevidamente influenciada pelo peso e forma do corpo.

E - A perturbação não ocorre exclusivamente durante os episódios de anorexia nervosa
As especificações da bulimia nervosa são:
Tipo purgativo: quando há uso de enemas, vômito, laxantes e diuréticos.
Tipo não purgativo: podem utilizar exercícios e jejum.